Follow by Email

2012/11/25


Uma Vitória para a Nova América

 

Nestes dias difíceis, nós americanos, temos que escolher

o caminho da justiça social...o caminho da fé, o caminho

da esperança e o caminho do amor para com o próximo.

Franklin D. Roosevelt

 

            Barack Obama ganhou as eleições.  Os americanos fizeram a sua escolha , optando por Barack Obama ficar na Casa Branca mais quatro anos.  Mais, escolheram mais nove Democratas para o Congresso do que na legislatura anterior e aumentaram a maioria que o mesmo partido tinha no Senado.  É mais do que óbvio, o cidadão americano, escolheu o caminho do progresso, a visão liberal e rejeitou o conservadorismo e a política obstrucionista que o Partido Republicano tem executado nos últimos quatro anos.  E mais uma vez, os jovens, as mulheres e os grupos étnicos minoritários, particularmente os afro-americanos e os hispânicos, votaram, maioritariamente, no Partido Democrático.  Mas as eleições já passaram.  Quatro semanas, no calendário político do pós-modernismo, é quase uma eternidade.  Daí que ilações é que podemos tirar deste último ato eleitoral.

            Primeiro, há que dizer-se que no dia 6 de Novembro o Presidente Obama não só ganhou reeleição, como a sua vitória, significou, o triunfo de um Nova América, a América do século XXI:  multirracial, multiétnica, mais consciente do mundo que a rodeia, mais global e acima de tudo, preparada para ultrapassar  vários séculos de tradições raciais, sexuais, conjugais e religiosas.   

            Barack Obama, o filho de um casal multirracial, nascido no Havai, com ligações a Kansas, Indonésia, Los Angeles, Quénia, Nova Iorque e Chicago, foi reeleito em grande parte porque não só representa, como soube dialogar, com esta Nova América, tal como o soube o Partido Democrático.  Soube conquistar uma coligação que incluiu uma grande percentagem dos trabalhadores fabris (45% dos trabalhadores anglo-saxónicos de Ohio); mais de 70% dos votos dos hispânicos (incluindo pela primeira vez, desde John Kennedy, a maioria do voto dos cubano-americanos da Florida); 96% do voto dos afro-americanos e maiorias substanciais do voto de vários outros grupos étnicos, incluindo os asiático-americanos.  

            A campanha de Barack Obama soube trabalhar, e conquistar, não só em termos raciais e étnicos, mas também em termos de estilo de vida.  Alguns analistas questionaram, e vários elementos do Partido Republicano, incluindo o antigo cérebro dos conservadores, Karl Rove (o grande perdedor destas eleições) satirizaram a campanha de Obama por estar focar em elementos demográficos específicos dentro da sociedade americana, incluindo os gays.  Enganaram-se com o seu epigrama porque a mensagem que a campanha do Presidente transmitiu foi uma mensagem sobre o futuro e não a do passado que os Republicanos insistem em expedir.  Aliás, a campanha de Barack Obama não fez mais do que ler, com atenção, os números do recenseamento de 2010, os quais indicam, claramente, que na primeira década do novo milénio a população de asiático-americanos cresceu 43,3%, a de afro-americanos 12,3%, a de latino-americanos 43% e da anglo-americanos apenas 5,7%.  Há dados que são significativos e que apesar dos Republicanos gastarem milhões dos seus amigos super-ricos não são omitidos da realidade americana, desta Nova América que os conservadores gostariam de ver apagada. 

            O Presidente Barack Obama foi reeleito com o apoio desta Nova América, como se disse, mas também porque falou a linguagem da Nova América onde assuntos tão pertinentes como: a reforma do sistema da saúde publica; medidas para regirem o Wall Street e o mundo da alta finança; reformulação das leis da emigração abrindo caminho para cerca de 14 milhões de clandestinos e suas famílias; a decisão que as mulheres devem ter sobre os seus próprios corpos, incluindo o uso medidas preventivas para a gravidez e a oportunidade de ganharem o mesmo salário pelo mesmo trabalho;  o direito que os cidadãos devem ter de casarem por civil com quem quiserem, incluindo pessoas do mesmo sexo, são alguns, entre uma miríade de conteúdos relevantes para os jovens e a maioria da Nova América.  

            Mais, esta eleição mostrou-nos ainda, que esta Nova América, já não acredita nos papões do passado.  Na Nova América é possível ganhar-se reeleição sem começar uma nova guerra.  Melhor, é possível ganhar-se reeleição acabando com as guerras e acabando com a exacerbada arrogância de que os Estados Unidos são o mundo.  Na Nova América, multirracial, multiétnica e multicultural é possível ganhar-se eleições sem denegrir no resto do mundo.  É possível ganhar-se eleições acreditando que somos um paceiro importante na construção de um mundo mais justo, mais pacifico, mais progressista.  Daí que a vitória de Barack Obama, foi mais do que uma vitória política, foi uma vitória para a verdadeira união americana, ou seja: nesta sociedade estamos todos juntos, somos um único povo, independentemente de onde vieram os nosso antepassados, de quem somos e de como vivemos as nossas vidas.

            Esta eleição também mostrou-nos, ainda mais uma vez, que os americanos, e particularmente os novos americanos, que são de todas as cores; de todos os credos religiosos, e alguns sem religião; de todos os estilos de vida; de todos os estados sociais e económicos, acreditam no poder dos governos e que embora não depositem toda a sua esperança no governo, acreditam, justamente, que os governos, nacionais, estaduais e locais, são parceiros importantes na construção de uma sociedade.   Esta foi ainda uma vitória que mais uma vez mostrou aos Republicanos que a sua hipocrisia de que a industria privada resolve todos os problemas e que os governos podem ser arrumados na prateleira do esquecimento, não funciona.  E digo hipocrisia porque quando estão no poder, como aconteceu com George W. Bush, aumentam os custos governamentais.  

            Foi, uma eleição que mostrou-nos que os americanos querem um governo eficaz e programas governamentais que ajudem aos mais carenciados da sociedade.  Foi uma vitória para os conceitos da verdadeira liberdade, da justiça social e da paz.  Foi ainda uma rejeição das propostas que tirariam à classe média para dar aos mais endinheirados do país ou àqueles que apesar de não terem esses montantes, pensam que já o têm, aos novos ricos, ou pior ainda, aos pseudo-ricos, porque são estes que têm dado algumas vitórias aos conservadores.  O conceito de se querer ser rico a todo o custo é repugnante.

            A Nova América falou e decidiu que queria construir uma sociedade mais equitativa e todos, mas mesmo todos, dentro e fora deste grande país, ganharemos com esta decisão.